quarta-feira, 22 de novembro de 2017

The Champs "Tequila"



leia e escreva já!

Dick Dale - Surfin' Swingin'/Misirlou/Wedge Live 1963



leia e escreva já!

Duane Eddy "Forty Miles of Bad Road"



leia e escreva já!

Link Wray "Rawhide"



leia e escreva já!

HERANÇA HAVAIANA

   Recebo de herança uma das coisas mais fantásticas já feitas na face da Terra: Duas coletâneas, completas e brilhantes, de surf music. E a surf music, voce sabe, é a mais feliz das ondas musicais do século XX.
  Em forma de livro, com um texto longo e leve e fotos raras e variadas ( tem desde anúncios de produtos surf até instrumentos e carros ), são sete cds e mais de seis horas de sons excitantes. Uma mistura de sol, estradas e garotas que te leva ao coração da coisa.
  Surf music mistura country, mariachi, trilha de James Bond, sons de faroeste e r and b num coquetel de alegria e ousadia. Voce pensa em camisas havaianas, cenas de filmes, guitarristas solitários, acampamentos no mato e pranchas da Lightning Bolt. Link Wray foi um gênio, mas tem muito mais, de Ventures à Shadows, de Santo and Johnny até Jet Harris. Algumas faixas atingem o cume do rock n roll e nenhuma é chata. Faz voce pensar no quanto Dylan e Lennon estragaram o rock ( sem querer ) e no quanto Chris Isaak, Cramps e Pixies beberam aqui. O timbre das guitarras é sublime, a bateria é sempre o centro do som e eles enfiam algum som surpreendente no meio da receita certeira. Voce ouve e celebra. Dá vontade de sair. De rir e de amar. É fun. Super mega fun.
  Dentre as joias raras da herança de meu brother, só os LPs de garage podem chegar perto, e sobre eles escrevo depois.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

DICAS ÚTEIS PARA UMA VIDA FÚTIL - MARK TWAIN, UM MANUAL PARA A MALDITA RAÇA HUMANA.

   Houve um tempo em que Twain era tão conhecido no Brasil como é JK Rowling hoje. Tanto era que ele foi, em 1971, o segundo autor que lembro ter lido. O primeiro foi Robert Louis Stevenson com A Ilha do Tesouro. Comecei bem, eu sei, e o livro de Twain era Tom Sawyer. Li e virei Tom Sawyer. Nele eu descobri que podia viver dentro de um livro.
   Mark Twain criou a América. Mais que Whitman ou Emerson, foi ele quem deu ao povo do país uma identidade. E foi amado, famoso, rico. Mas não foi feliz. Suas filhas morreram antes dele, e quando Twain se foi, em 1910, era um homem amargo.
  Cabelão branco e terno largo também branco. Ele dizia que vestia branco porque usar preto era perigoso. Podiam achar que ele já havia morrido. Este belo livro reúne texto que Twain escreveu entre 1870-1906. São 36 anos de artigos de jornal, romances, contos, peças e discursos. Viajava  mundo como astro de rock, dando palestras. E seu estilo era aquilo que se tornou o "estilo americano". Um jeito direto e grosso, engraçado e amargo, polido e cru, empolado e ousado. Seu texto tem sabor e tem humor. É a fala do sul, do Mississipi.
  Ele fala um pouco de tudo. Como educar filhos, como viver feliz, como ser amigo, o que se deve comer, beber, vestir. Como viajar. Ele critica as manias da Europa. Sua voz é aquela do Dude Lebowski. E é também a voz de Faulkner, de Updike, de Mailer e de Dylan. Mark Twain captura uma nação jovem e dubla seu sonho em voz. Exibe aquilo que a América quer ser.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

trombone com vara: CRENÇA NO IMPROVÁVEL, O AMOR.

trombone com vara: CRENÇA NO IMPROVÁVEL, O AMOR.:    É lógico que o amor não existe. O que chamamos de amor é uma invenção artificial, mera fantasia criada por poetas. O que existe e pode s...

leia e escreva já!

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Flea & Amy-Jo Albany - What's In My Bag?



leia e escreva já!

Paul Weller talks about his favourite music.



leia e escreva já!

Gustav Klimt: O Recluso Pintor & Suas Incríveis Orgias de Cores | Philos TV



leia e escreva já!

GUSTAV KLIMT, AQUELE MUNDO QUE PERDEMOS.

   Viena não foi o mundo. Não era o mundo. Não é o mundo. Viena era um mundo de burgueses muito ricos que amavam a Kultura. Um grupo de judeus que lutava para ser e ter o melhor da Europa. Viena era católica. E tinha o rigor dos luteranos. Era sensual. E hipócrita. Bonita e dourada. Acima de tudo, Viena era Wittgeinstein, Mahler, Freud e Klimt. Essa cidade não irá ser repetida. Morreu em 1914.
  Klimt pintava mulheres. Porque as mulheres são Tudo. A coisa era religiosa: a Arte era aquilo que iria salvar o homem. Era a única coisa real que nos poderia reencontrar o inefável. E a mulher era o símbolo da beleza. E do mal. Ele cria a Mulher Fatal. A mulher como manipuladora de homens. O convite à morte. E a porta para a Vida. Toda arte é erótica - esse o lema de Klimt.
  Seus quadros são montanhas de símbolos. Ouro e sexo. Deuses e morte. Mas sempre a afirmação da vida. Klimt ama seu jardim. Com o tempo será chamado de "decorativo", superficial, secundário. Hoje é central. O tempo é seu amigo.
  Em seu tempo foi famoso. E ficou rico. Fazia duas estradas: retratos para os ricos judeus, pinturas provocantes e escandalosas para as galerias. Mas não pense que os retratos eram simples comércio: são geniais. Klimt pintou alguns dos quadros mais eróticos do mundo. E as mulheres mais belas de seu tempo ( inclusive a irmã de Wittgeinstein ).
  Dânae é a mulher mais linda já pintada. Digna de Zeus.
  Dúbio e misterioso o mundo que deu vida à Klimt.
  Sorte ainda termos seus quadros.
  ( Escrito após a leitura de um dos livros da Taschen sobre o artista. )

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

O HOMEM COM ASAS - ARTHUR JAPIN

   Biografia romanceada é uma coisa muito perigosa. Ela pode não ter a invenção da ficção e perder a precisão da biografia. Isso é exatamente o que acontece aqui. Arthur Japin, o mais famoso autor da Holanda, escreve sobre Santos-Dumont e nada nos transmite sobre quem foi o mais famoso brasileiro do começo do século XX. Ele pega trechos de sua bio e inventa personagens e situações sobre o que poderia ter sido sua vida. Isso não funciona. Como ficção parece pretensioso e falsamente poético; como biografia é uma mentira fantasiosa. Dumont era aquele? Claro que não!
  O livro começa em Ribeirão Preto, o pai do inventor foi o maior cafeicultor do mundo. Depois vai à Paris, onde Dumont é o dandy-rei do mundo chique da França. Um homossexual mal assumido, tímido, vaidoso e mecânico de gênio. No meio de tudo isso, uma trama boba sobre a ditadura de Getúlio. Dumont teria se matado no Guarujá por causa dos aviões que bombardearam SP por ordem do ditador.
  A gente nota que o livro foi escrito já como se fosse filme. Ele grita por isso.
  Adoro descobrir livros novos por intuição. Às vezes acerto, às vezes não. Dessa vez errei. O livro é uma mistura chata de frases poéticas vazias e cenas com beleza fake.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

MEMÓRIA DA ÁGUA - EMMI ITARANTA

   Uma menina aprende com o pai a cerimônia do chá. A Europa foi dominada pela China. O clima mudou, faz calor todo o tempo. A água virou um precioso bem de troca. O Estado distribui poucos cantis por semana à população. Os militares mandam em tudo. E a personagem principal percebe que alguma coisa tá errada. Nosso mundo, o de hoje, foi esquecido. Hm...
  A autora é finlandesa e dizem que o livro foi premiado. Mas hoje tem tanto prêmio que dá para premiar todo mundo. Tristinho, dark, chatinho, eu não precisava ter lido este livro, mas quis saber como acabava. Acaba em aberto, para ter continuação.
  Esquece.

sábado, 4 de novembro de 2017

CORAÇÃO DEVOTADO À MORTE, O SEXO E O SAGRADO EM TRISTÃO E ISOLDA DE WAGNER. - ROGER SCRUTON.

   Kant, Schopenhauer, Auerbach, Nietzsche, Wittgeinstein, Freud, Merleau-Ponty, Foucault e Girard. Todos são citados várias vezes por Scruton e todos são, ao final, refutados pelo filósofo inglês. Refutados em relação aquilo de que se ocupa o livro, o erotismo e a morte. Uns mais outros menos, todos revelam algo de reducionista ao evitar o tema ou a aborda-lo de uma maneira que o descreve DE FORA e jamais de dentro. Scruton não tem medo. Ele não evita entrar no sentimento e no ato, na fantasia e naquilo que sabemos acontecer mas que não conseguimos entender. Roger Scruton aceita o não-saber. Para ele é isso o sagrado: fazer, aceitar, repetir, seguir, sem jamais entender. Saber que ali há algo que foge ao entendimento e que por isso pode ser puramente ilusório. Mas não parece ser. E por isso ele, o mistério, é confirmado em atos, objetos, lugares que são aquilo que precisam ser. Para Scruton o homem é sagrado. Por mais que o cinismo atual ria disso, ele é.
  Somos corpos reais que se percebem no limite da realidade. Enquanto corpo estamos no mundo, enquanto sujeitos estamos observando o mundo de um lugar que sempre nos parece fora da realidade corporal. É o que nos define como seres não-animais: olhamos para nós mesmos, analisamos o que somos e o que devemos ou não queremos ser ou fazer. Temos escolhas. Ao contrário dos bichos, estamos sempre decidindo, antecipando, planejando. Nosso corpo, real como é uma pedra, se move entre as coisas como ser que funciona por instinto. Nosso eu, colocado à parte do real, olha e tira ideias, cria e lembra.
  Dentro dessa verdade, o Amor-Erótico surge como o momento em que o corpo e o sujeito se unem em um só. Eu amo a pessoa que está naquele corpo. Ao contrário da pornografia, não é aquele corpo que desejo, o que desejo é quem está naquele corpo. A pessoa e o corpo se tornam um só para mim, e eu me torno um só para ela. E, contra a ideia de Freud, de que a paixão era nada mais que um tipo de fome ou sede, algo mecânico e animal, só aquela pessoa pode fazer por  mim o que faço por ela. Ela é insubstituível. Única em um universo.
  Scruton vai em frente e toca na escolha. Para ódio dos modernos, não podemos escolher a quem amar. Somos presos do acaso. Mas podemos escolher como amar essa pessoa que nos surge. E vem daí a ópera de Wagner. Scruton a disseca em texto e música. Lenda vinda da idade média, ela fala de um sobrinho que se apaixona pela mulher prometida ao tio. E ela o ama do mesmo modo. Tudo termina em morte e em vitória do amor. ( Contei a história de um modo bem simplificado ). O que Wagner mostra é que amor e morte são a mesma coisa. Todo amor verdadeiro só pode vencer se encontrar a morte. E essa morte é o modo que o amor encontra de durar para sempre.
  Wagner não acreditava em Deus. Mas amava o budismo. O amor era, para ele, o modo de se deixar dissolver no Nada e a morte se tornava assim uma libertação da ilusão. O amor de Tristão e de Isolda seria profanado se tivesse de viver em meio às exigências do mundo fútil e vazio do dia a dia. Para ele viver puro e perfeito ele precisa morrer.
  Scruton aceita isso e vai adiante. Para ele, esse amor não precisa de um deus para ser sagrado. No olhar que reconhece, na individualidade de cada amante, vive a eternidade da particularidade que só o sujeito pode ter. No amor e na morte o Ser se afirma como sujeito livre. Ele sai do mundo das contingencias, das obrigações, e passa a se mover no mundo das escolhas e dos riscos. Sim, ele não escolhe seu amor, mas como disse, ele escolhe manter esse amor no nível do AMOR CORTÊS, o mundo do amor que significa, que simboliza, que vai além. O amor que nega a fome, a pornografia. ( A pornografia é o desejo que transforma o amado em objeto desfrutável e intercambiável. Ela vive da dessacralização do amor e da ofensa ao corpo ).
  A música de Wagner, sagrada e prova de um eu criador, leva o ouvinte para dentro desse erotismo que, como todo erotismo, coloca os amantes fora do mundo real e dentro do mundo com sentido. Para o casal, só eles existem, só eles são vivos, só eles podem durar. Na morte eles dizem ao mundo que escolheram seu destino. Saíram do mundo dos fenômenos e adentram a liberdade. Deixam de ser dois e se tornam parte de um todo onde não há eu e voce.
  Qualquer um de vocês, se já amou de verdade, sabe do que falo. Por mais ateu, ou cínico ou frio que voce seja, sabe que no amor há a companhia da morte. O mundo inteiro morre para os amantes. O passado morre. O que existe é o amor e o medo de que ele se perca. Há um momento em que sentimos a proximidade da morte. "Se ela se for eu morro".
  Não se engane. Ela se foi e voce morreu.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

TOLSTOI, A BIOGRAFIA, ROSAMUND BARTLETT.

   A Rússia não existe. Nem Europa, nem Ásia. A coisa mais sensacional deste ótimo livro é fazer nos sentir dentro da Rússia. E a Rússia não é fácil não! Coisas que só existiam no país. O SANTO-TOLO por exemplo. Pessoas que vagavam pela nação, mendigando, sendo recebidas como santos homens e como tolos ingênuos. Aristocratas culpados. Não havia no mundo aristocratas tão esbanjadores e cercados de luxo como os russos. E ao mesmo tempo, em nenhum outro país acontecia de tantos deles largarem tudo e se tornarem peregrinos pobres. Tolstoi viveu todos os meandros da alma russa. Foi a encarnação daquilo que o país pode ser e será. Penso agora se há na Inglaterra alguém que encarne e alma inglesa. Ou nos USA. Ou na França. Talvez Wagner seja a alma alemã. Mas não há um só artista ou filósofo que resuma em si a alma da França, da Inglaterra ou de qualquer outra nação. Tolstoi é a Russia. E isso é muito complicado.
  O livro começa traçando as raízes da família aristocrata do autor. Pai e mãe têm origens nobres, a mãe com mais dinheiro, o pai com muito história. As primeiras 200 páginas do livro são sublimes. Tios e tias com vidas sensacionais. E alguma dolorosas. E então nasce Liev Tolstoi, em meio a muitos irmãos, parentes, servos, visitas, na imensa propriedade de Iasnaia Poliana. ( Servos eram parte de uma terra. Não podiam ser vendidos, portanto não eram escravos, mas eram parte das terras dos nobres, como eram as árvores e as casas ).
  O jovem Tolstoi usou sexualmente as servas, se apaixonou, caçava, brigava muito, duelou, serviu na guerra. Foi um jovem inquieto, cheio de ideias, dúvidas e excesso de energia. Desde cedo tinha paixão por vida no mato, exercícios. Mas a guerra o mudou. A absurda guerra da Crimeia, a luta contra turcos e ingleses. A Russia era então um esbanjamento. Muito dinheiro usado para o luxo, muita repressão politica e a religião ortodoxa. Tolstoi seguiu a fé de seus pais, por algum tempo. Começa então a escrever em revistas, em jornais. Publica pequenas histórias e logo se torna o escritor mais famoso da Russia.
  Faz amizade com Turgueniev, mas logo brigam. Nunca encontrará Dostoievski. Este admira Tolstoi, mas Liev o ignora. São opostos. Escrever Guerra e Paz é um prazer. Sonia, sua esposa de origem alemã, passa a limpo o texto. A obra estoura e vende muito. Pronto, ele é famoso. Mas existem os servos e Liev começa a mudar.
  A obra de sua vida é fazer o bem aos pobres. Incrível como Tolstoi passa a desprezar sua vida de artista. Ele dá muito mais valor às cartilhas educacionais que redige e imprime que ao seu livro de sucesso. Tolstoi quer educar o povo russo e abre escolas, inventa métodos educacionais, percorre as aldeias. Começa a ser perseguido pelo estado.
  Mas há a escrita. Ana Karienina é um martírio. Tolstoi escreve com dor, com desprazer, como obrigação. E o sucesso é mundial. Karienina se torna o romance mais famoso de seu tempo e Tolstoi o mais admirado dos autores. Mas ele continua a mudar.
  Pensa na morte, entra em crise, cria uma religião. Lança textos e livros religiosos, traduz evangelhos do grego, faz palestras, funda o "tolstoismo". Eis a obra da sua vida.
  Torna-se vegetariano, pacifista, influencia o jovem Ghandi. Comunas tolstoianas surgem nos Canadá, nos EUA, na Inglaterra. Ele prega o fim da propriedade privada, o sexo apenas como reprodução, o fim do estado, o trabalho como bem maior. Trabalhar com as mãos, comer o que se planta e seguir Jesus Cristo. Tolstoi é o guru da Russia e uma das pessoas mais famosas do planeta. E ao mesmo tempo passa a ser odiado pelos ortodoxos e pelo governo russo.
  Ele se abstém de suas posses, se afasta da família. Vive em trapos, como um santo-tolo. Prega a paz e a resistência pacífica. Então vem a Primeira-Guerra, a revolução de 17 e o bolchevismo. Tolstoi é considerado o precursor de Lenin. Lenin o admira, mas Liev é contra o estado, o que cria uma rusga entre as duas filosofias. Tolstoi morre em 1910, numa estação de trem. Seu enterro é um evento mundial e sua casa centro de peregrinação. O livro segue sua esposa e seus filhos até os anos 30.
  A vida de Tolstoi é o desconforto de um gênio com o mundo onde lhe coube nascer. Escrever era pouco para ele. O que ele desejava era mudar o mundo. Acabar com toda a violência. Trazer a verdade do cristianismo para o centro da politica. Dar comida e educação aos pobres. Dignidade a todos.
  Em 2017 ainda matamos bichos para comer bife. Ainda fingimos não ver os rostos de esfomeados. Rezamos sem atentar para nossa mentira fundamental: somos violentos. Educamos sem salvar. Vivemos sem agir. E a Russia, terra que Tolstoi amava mais que tudo, ainda é esbanjamento e luxo.
  Ler Anna Karienina foi um dos pontos fundamentais de minha vida.

FREUD EDIPIANO: ÚLTIMA AULA DO CURSO SOBRE.

   O professor conta para a sala, mais de 50 pessoas, hipnotizadas, a história do mito de Édipo. E percebo como deveria ser mágica a época em que bons narradores contavam histórias de forma oral, ao lado do fogo ou à beira do rio. O foco da história: Édipo como alguém que faz perguntas, alguém que quer saber. ( Evito dizer à sala que minha visão do mito é a de que ele mata o pai= Deus, e esposa a mãe=ciência, e isso leva à sua cegueira; ou então o pai como Deus e a mãe como a natureza física ).
  Tirando o foco do escândalo, o professor nos leva às 3 fases de uma criança: o tempo do "o quê é isso?", depois o por quê, e afinal o não avassalador. Mas, filosofa natural como toda criança é, quando ela pergunta o quê é o mar, não é ao mar físico que ela se refere, mas sim o quê significa o mar. Ele é água e sal, e tem peixes, mas daí vem a questão: "por quê ele existe?". Lembro bem que minhas questões, aos 3 anos, eram básicas: De onde vim, onde eu estava antes de vir, para onde eu ia, e principalmente: Se o amor de meus pais por mim seria eterno.
  Segundo o professor, essas questões são comuns à todas as crianças em certa época de suas vidas. E em certo momento todas elas são respondidas com o Não. Você não poderá ter o amor de seus pais para sempre, você nunca terá certeza de nada, e há coisas que voce jamais saberá. É esse Não que formula a lei da civilização e é esse Não que dá sentido à procura. Mas...
  Vivemos em um tempo que odeia o Não. Achamos que todo não é arbitrário e que tudo pode se tornar sim. Não aceitamos o impossível. Não aceitamos aquilo que não tem cura, não tem solução, não pode ser vencido. Nem a morte aceitamos mais. Pior, mesmo a fase do Por Quê tem sido asfixiada. Nas redes sociais, na mídia, nas conversas, ninguém mais pergunta o por quê das coisas, o que se deseja é saber o quê é. Pontos de afirmação e nunca interrogações. A civilização, no seu geral, e mais que todos o Brasil, está ancorado na fase dos 12-16 meses de idade: "Quê é isso?", sem conseguir ou desejar alcançar o "Por quê isso?".
  Quanto as escolas...Bem, o necessário seria dizer aos alunos Por Quê é importante ir à escola. E NUNCA responder com coisas que nada significam, tipo: Porque precisa, Porque vai ser útil, Porque um dia voce vai entender. Jovens não se importam com aquilo que não tem valor existencial. A matemática terá valor se ela fizer sentido para sua vida e não se ela for apenas útil. O utilitarismo da escola mata o sentido que ela pode ter. Ou deveria ter.
  Saber tudo o que aqui foi dito nada tem de útil.
  Mas faz todo o sentido para mim.